Batata com Cachorro

(Por questões jurídicas informamos que nenhum cachorro foi maltratado durante a produção deste site.)

Dallas Buyers Club (2013)

Bom dia seres batatásticos! Hoje, esplendidamente trago para vocês uma resenha de Dallas Buyers Club! O post pode estar meio longo (ou não) então sente aí, pegue uma pipoca e vamos lá!

AVISO: SPOILERS DE RASPÃO

url



Quando eu assisti The Wolf of Wall Street (Paramount Pictures, 2013) instantaneamente eu tive certeza absoluta de que Leonardo DiCaprio (Django Unchained) levaria a estatueta do Oscar para sua casa na noite da premiação. Porém naquela fatídica noite, quem levou o Oscar de melhor ator foi Matthew McConaughey (Magic Mike), que até então não tinha ouvido falar dele, com exceção é claro, de sua participação em The Wolf of Wall Street, como chefe do DiCaprio.

O fato é que assisti Dallas Buyers Club (Voltage Pictures, 2013) e achei mais do que merecido que ele e Jared Leto (Mr. Nobody) ganhassem os Oscar de melhor ator/coadjuvante. É simplesmente esplêndido.

DBC é baseado na história real de Ron Woodroof, um eletricista que é diagnosticado com AIDS e com apenas 30 dias estimados de vida.

Ron a princípio não acredita no diagnóstico pois ele tinha estereotipado que AIDS é sinônimo de homossexualidade. Até que alguns dias mais tarde ele vai pesquisar sobre a doença e descobre que relações sexuais sem proteção podem causar a transmissão do HIV. O momento em que ele percebe que ele pode realmente estar infectado pelo HIV é sensacional. A reação dele é tão singela que você se sente na pele dele naquela situação de merda.

Ele então negocia com um enfermeiro do hospital local, e este o vende alguns remédios para o tratamento da doença ainda em fase experimental, chamado AZT, que era tóxico ao paciente mas já já eu falo disso. Após cerca de duas semanas o enfermeiro diz a ele que o AZT está sendo controlado e não era mais possível que ele ficasse contrabandeando o remédio assim e dá para ele um endereço de um médico no méxico que possuía a substância. Uma cena que eu preciso ressaltara magnitude da atuação de nosso querido protagonista é quando ele está indo ao méxico no 28° dia e ele vê que vai morrer. Ele para o carro na estrada e começa a chorar, e é muito natural a cena. É perfeita.

Voltando ao filme, Ron encontra o tal médico e recebe um novo diagnóstico: a mistura do AZT (que naturalmente já era tóxico para o ser humano) com metanfetamina, cocaína e álcool estava fodendo ele completamente e acelerando o processo de sua morte. Ele se interna na clínica desse médico e 3 meses mais tarde volta ao EUA com um suprimento imenso de substâncias para tratamento da AIDS.
Ron, antes um homofóbico, cria uma linda relação de amizade com Raymond, mais conhecido como Rayon (Jared Leto), uma travesti, e juntos fundam o Dallas Buyers Club, uma associação cujos membros pagavam 400 dólares por mês e poderiam ter acesso à medicação que desejassem.
Agora vamos às minhas opiniões de fato.
Filmes que retratam a vida de alguém são sempre legais de se assistir. E esse filme é muito foda. A direção de arte desse filme tá de parabéns, não é a toa que ganhou o Oscar de melhor maquiagem. Cada cena do filme é construída com esplendor e te prende até o último minuto na cadeira.
No início do filme o Ron era um filha da puta, por um momento eu até pensei que ele mereceu a doença. Mas ocorre uma transformação durante o filme, que chega a seu ápice quando ele protege Rayon de um ato homofóbico realizado por um ex-colega de trabalho.

Eu fiquei boquiaberto quando descobri que Leto estava em um dos dos meus filmes favoritos, Fight Club (1999), e os papéis que ele faz nesses dois filmes é totalmente diferente. A imersão no filme causada em grande parte por conta da atuação de McConaughey e Leto é ótima.

http://www.youtube.com/watch?v=RwK9gEakhqs
O filme entrou facilmente para minha lista de favoritos e eu dou uma fucking nota 10 pra ele.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *